LUIZA HERMETO

Nas entranhas do corpo-mulher, há vida que a vira, revira e desvira. 

Parir foi sentir o corpo virar do avesso. Abrir-se em concavidade, enquanto a matéria: ossos, músculos, articulações parece derreter. O corpo, em cálice, se faz água, sangue e transborda. 

Abortar, ao avesso, um endurecimento do estado líquido do corpo; sentir o peso dos ossos, congelar. Voltar-se para dentro do corpo-casulo, enquanto o gelo se desfaz no tempo, e escorre no colo um frio úmido.

Um avesso verso sem nexo, que expõe uma interioridade acorrentada e trancada a 7 chaves. Um segredo, um cuidado, um chamado. Falar do que somos avessos e honrar a vida que fica e que vai.

CATALOGO JOIAS LEILÃO